terça-feira

O EFEITO SOMBRA


O EFEITO SOMBRA
DEEPAK CHOPRA / DEBBIE FORD / MARIANNE WILLIAMSON
trechos do livro especialmente selecionados por Tom R. para o blog MAIS DE
MIL FRASES DE EFEITO
Se reproduzir este texto em algum outro veículo de comunicação, preserve os créditos acima.

Prometemos que, após ler este livro, você nunca mais verá seu lado sombrio da mesma maneira.

A sombra não é um problema a ser resolvido ou um inimigo a ser vencido, mas um campo fértil a ser culti¬vado. Quando mergulharmos as mãos em seu solo rico, desco¬briremos as sementes potentes da pessoa que mais desejamos ser.

PRIMEIRA PARTE - DEEPAK CHOPRA

Mas a nova pesquisa sobre o contágio social é empolgante, porque respalda a noção de que, na verdade, há uma mente que coordena não apenas o modo como as pessoas captam os modismos umas das outras, ou decidem imitar-se; não apenas a que distância as células cerebrais sabem o que outras células cerebrais estão fazendo, mas re¬motos fenômenos, como o de gêmeos separados por milhares de quilômetros que subitamente sabem o que está se passando um com o outro. Esses conectores invisíveis vêm trazendo o inconsciente coletivo a muitas, muitas áreas da vida. O contá¬gio social está se transformando em notícia, porque todos gos¬tamos de confiar em dados, embora a possibilidade de sermos todos integrantes de uma só mente desafie a religião, a filosofia e o significado da própria vida.

A sombra, portanto, é um projeto compartilhado. Qual¬quer um pode ter participação em sua construção. Tudo o que você precisa é a habilidade de permanecer inconsciente.

Você não tem expe¬riência na ausência do contraste: luz e sombra; prazer e dor; acima e abaixo; à frente e para trás; quente e frio. Se não hou¬vesse divisões, não haveria manifestação. A consciência seria um campo vastamente árido, como um deserto. Você estaria ciente de tudo, porém, de nada em particular.
Desse modo, para ter uma manifestação, você precisa de energias opostas. Por isso inimigos declarados também são aliados ocultos. Osama bin Laden e George Bush, por exemplo, criaram um ao outro. Na superfície, eram inimigos; po¬rém, no fundo, eram aliados. É um princípio genérico. Você precisa de seus inimigos para ser quem você é.

O que você chama de "eu" na verdade é "nós" em grau muito mais abrangente do que você imagina.

De onde veio a sombra? O impulso pela separação criou o contraste — e a guerra — entre a luz e a escuridão. Quando a separação se torna patológica, ela se manifesta como impulsos da sombra: raiva, medo, inveja e hostilidade. Portanto, a alma humana se sente simultaneamente divina e diabólica, sagrada e profana, santa e pecadora. Nas tradições da sabedoria oriental, temos um ditado que diz que o pecador e o santo estão mera¬mente trocando de papel.

Não se pode ter Deus sem o Diabo.
O que é o Diabo? É a sombra mística, o anjo caído, mas ele nasceu divino. Na verdade, outra forma de interpretar a palavra "diabo" é "o divino quando não se sente bem". Há uma conclusão chocante escondida por trás disso: não se pode ter um universo se não houver a escuridão lutando contra a luz.

A maioria das pessoas já viu um holograma criado com o uso da luz a laser. Utilizando apenas o fragmento de uma foto ou objeto, o laser pode recriar o objeto, ou a foto, de forma integral, como se fosse mágica. Em vez de um fragmento, a plenitude surge à sua frente. Da mesma forma, mesmo que você esteja preocupado com os fragmentos da vida diária — co¬zinhar, trabalhar, divertir-se, coisas de que gosta ou não —, na realidade, sua mente projetou um holograma para você habi¬tar. Você vive dentro da plenitude. O impulso holográfico não pode ser desligado ou destruído. Embora você possa olhar em volta e desgostar de muita coisa que vê em seu mundo pessoal, sentindo-se encurralado por outras pessoas e situações difíceis, você detém o poder de criar um holograma totalmente novo. Um novo holograma implica um novo self.

O que temos aqui é uma dica para um dos mais profundos segredos espirituais: o poder de alterar a realidade. Tal poder não está disponível na superfície da vida, motivo pelo qual as pessoas se sentem arremessadas de um lado para o outro pelas circunstâncias ex¬ternas. Você precisa encontrar o nível da alma, onde o impulso holográfico pode criar qualquer coisa.

A superioridade camufla o sentimento de fracas¬so ou o de que os outros o rejeitariam se soubes¬sem quem você realmente é.

Você não está no mundo. O mundo está em você.

A vida — no sentido da sua vida e da minha — transcende qualquer orientação de ganhar ou perder. A plenitude vai além das explicações simplistas de causa e efeito. Na teia dos relacio¬namentos, você funciona num contexto muito maior. Quando enxergar a si mesmo como parte do todo, surgirá um novo entendimento. Não há necessidade de rotular a si mesmo ou qualquer outra pessoa como parte do drama bem versus mal, certo versus errado. Você pode trocar o julgamento pela verda¬deira experiência de compaixão, amor e perdão. É essa a cura que vem de ser pleno.

A plenitude sempre tenta restaurar a si mesma. Seu cor¬po tem um leque de técnicas de cura. A plenitude e a cura estão intimamente ligadas (as duas palavras derivam da mesma raiz, em sânscrito).

É crucial saber que você não vai deixar de ser você mesmo se buscar a transformação.
O mundo de contrastes é sedutor e dramático. Sem o contraste, será que estaríamos condenados à mesmice eterna? Quanto mais forte a luz, maior a sombra. Não se trata de algo criado pela humanidade; é o modo como a natureza funcio¬na. A alternativa não é praticável. Se o universo não tivesse as forças criativas se opondo simultaneamente ao declínio, ou entropia, não haveria universo.

Precisamos dessas forças opostas, mas esse não é um argumento para a dualidade. Na verdade, é um forte argumento para a plenitude, já que é preciso uma perspectiva bem maior que isso, de ambos os lados, para mantê-las em equilíbrio.

No plano do ego, constantemente nos iludimos ao pen¬sar que ser absolutamente bom é possível. Nunca mais vamos mentir, trapacear, sentir inveja, perder a calma ou ceder à an¬siedade. Essa intenção nunca dá certo, porque ser totalmente bom, o tempo todo, é tão rígido quanto ser qualquer outra coi¬sa o tempo todo. Há momentos em que é absolutamente certo e saudável ficar zangado ou sentir medo. A falha no pensamento positivo é que você não pode ser positivo o tempo intei¬ro. É uma atitude sã lutar contra ditadores, se opor à opressão de todas as formas, dizer a corruptos que eles estão errados, e por aí adiante. A vida apresenta desafios vindos do lado obs¬curo. Não precisamos endemoniar a sombra; ela é a fonte de quase todos os desafios que valem a pena ser enfrentados.

A ilusão na qual recaímos é pensar que a vida nos força a escolher entre o bem e o mal. Na realidade, há um terceiro caminho, que é ser pleno. Da perspectiva da plenitude, você pode equilibrar a escuridão e a luz sem se tornar escravo de nenhuma delas. A oposição entre as duas pode se transformar em tensão criativa. O mocinho tem que continuar ganhando, mas é melhor o bandido não perder de vez, pois então seria o fim da história. O universo ficaria como um museu, mumificado eternamente.

Quando você tiver a experiência de ser a própria fonte e seu mundo, ao mesmo tempo, você se tornará pleno.

Diga a palavra "elefante" para si mesmo. Antes de surgir à mente, o seu vocabulário estava longe ou perto? Usamos a consciência por motivos individuais, a serviço do "eu e meu", porém, você pode se localizar no tempo e no espaço sem conseguir localizar sua consciência. Não há distância entre você e uma lembran¬ça, você e o pensamento seguinte. Partindo da perspectiva da plenitude, já que tudo está sendo coordenado de uma só vez, a distância é irrelevante.
O que conduz a uma conclusão empolgante: seu potencial para a mudança também não está distante. Potencial é o mesmo que possibilidades não vistas. Ou você vê que algo é pos¬sível, ou não vê. Portanto, o impossível é apenas outro nome para o que não é visto. Consequentemente, a sombra, que o faz enxergar um mundo limitado, temeroso e repleto de ameaças e possibilidades sombrias, está mascarando muitas possibilida¬des não vistas, que poderiam saltar diante de seus olhos se você se expandisse além da sombra.

No fim das contas, a plenitude é o mesmo que encontrar sua fonte. Não há divisão na fonte.

Você está vivendo perto da fonte da consciência se as afirmações a seguir forem verdadeiras:

Está em paz.
Não pode ser abalado de seu centro.
Possui autoconhecimento.
Sente compaixão sem julgamento.
Vê a si mesmo como parte do todo.
Não está no mundo. O mundo está em você.
Ações espontaneamente o beneficiam.
Seus desejos se manifestam facilmente, sem desgaste nem esforço.
Pode executar ações intensas com desprendimento.
Não está visando nenhum resultado pessoal.
Sabe como se render.
A realidade de Deus é visível em toda parte.
A melhor época é o presente.

O primei¬ro passo é o mais importante. Não seja leal à dualidade. Pare de rotular, culpar e julgar. Abra mão das fantasias de mostrar ao mundo que você está certo e os outros estão errados. Os professores espirituais vêm ofertando esse conselho há sécu¬los. Lembre-se do que os Vedas proclamam: "Você não está no mundo. O mundo está em você".

Para encontrar amor, você tem de ser capaz de enxergar a si mesmo como alguém que pode ser amado.

O medo da rejeição incapacita milhões de pessoas. Ele faz com que o amor não correspondido seja uma tragédia compreendida por todas as culturas. Espiritualmente, você não pode ser rejeitado, a menos que rejeite a si mesmo.

Quando você rotula a si mesmo, ou a qualquer pessoa, como ruim, errado, inferior, indigno etc., está olhando por uma lente limitada. Amplie sua visão e ficará ciente de que todos, por mais falhos, são completos e plenos no nível mais profundo.

E nesse sen¬tido que figuras como Jesus ou Buda puderam ter compaixão por qualquer um. Vendo a plenitude por trás do jogo de luz e escuridão, eles não achavam nada a culpar. O mesmo se faz verdadeiro para o caminho espiritual que você segue. Confor¬me se enxergar de modo mais completo, terá compaixão por suas falhas, o que o conduzirá à autoaceitação completa.

Já vi pessoas evoluírem rapidamente praticando uma simples meditação cardíaca, na qual se sentam, em silêncio, e direcionam a atenção ao coração; e outras se beneficiarem pelo acompanhamento dos movimentos respiratórios de olhos fe¬chados. Acaba-se experimentando inteiramente o verdadeiro self — algo que pode ser alcançado pela meditação com mantras, originada na índia védica, ou com as técnicas de meditação vipassana, do budismo, para mencionar apenas dois métodos comprovados.

Em seu cami¬nho espiritual, você deve começar a experimentar o seguinte:
A vida fica mais fácil, destituída de esforço.
Você age de maneira mais espontânea.
O mundo já não traz reflexos negativos.
Seus desejos são realizados com mais facilidade.
Você encontra felicidade na simples existência. Estar aqui é o suficiente.
Você ganha percepção própria sabendo quem realmente é.
Sente-se incluído na plenitude da vida.

SEGUNDA PARTE - DEBBIE FORD

Aquilo do que você anda se escondendo pode, na verdade, lhe dar o que você vem tentando encontrar com tanto afinco.

A boa notícia é que todos os aspectos próprios chegam como dádivas. Cada emoção e cada traço que possuímos ajudam a in¬dicar o caminho de volta à singularidade. O lado sombrio existe para apontar onde ainda somos incompletos, para nos ensinar o amor, a compaixão e o perdão — não apenas aos outros, mas também para nós mesmos. E, quando a sombra é abraçada, ela irá curar nosso coração e nos abrir a novas oportunidades, no¬vos comportamentos e um novo futuro.

Tendo enfrentado nossos demônios internos, somos preenchidos pela paz e pela compaixão na presença do lado sombrio de ou¬tras pessoas. Conseguimos perdoar e abrir mão de julgamentos degradantes e do coração ressentido.

Quando verdadeiramente compreen¬demos nossa sombra e suas dádivas, não há dedos para apontar ou culpar nossos pais, professores e o passado, porque a sombra é um sistema de libertação para um futuro extraordinário. Com¬preender como ela se formou destranca a porta para um poder pessoal enorme e uma profunda sabedoria.

Para começar a compreender quanto a sombra é essencial, tente imaginar uma história sem nenhum conflito ou herói, cuja virtude nunca é colocada à prova pelo adversário dig¬no. O herói de qualquer história não poderia existir se não fosse pelos vilões que o desafiam ao longo do caminho. Se o que diz a tradição ocidental realmente for verdadeiro, que "o pecador e o santo estão meramente trocando de papéis", então, o conflito entre a natureza superior e inferior cria uma tensão necessária para impulsionar nossa evolução como se¬res humanos.

Um cineasta que faz filmes cristãos subitamente fica bêbado e, aos berros, faz comentários antissemitas na fúria da bebedeira. Um astro do rádio que ganha a vida sendo um grande comunicador de repente faz um insulto racial que destrói sua carreira e reputa¬ção. Uma jovem e ambiciosa professora que joga fora o futuro por fazer sexo com um aluno de catorze anos. Uma estrela de cinema que pode pagar por praticamente qualquer coisa e é flagrada roubando em lojas. Todos esses impulsos reprimidos e escondidos que tentamos administrar são como bombas-relógio esperando para explodir.
E podemos ter certeza de que o Efeito Sombra surgirá no momento menos oportuno — quando estivermos à beira do su¬cesso financeiro ou vivendo um novo romance; a poucos dias de nos aposentar ou prestes a fechar um negócio que poderia mudar nossa vida para sempre. Esses são os momentos em que sabotamos o próprio sucesso, conscientemente ou não, quando uma escolha feita sob a névoa da inconsciência mina o pro¬gresso pelo qual trabalhamos durante anos. Uma sabotagem pessoal é a exteriorização da vergonha interna escondida nos recônditos escuros da mente inconsciente. Pelo fato de não ter¬mos tido sabedoria, coragem ou recursos para fazer as pazes com o que reprimimos por culpa, medo ou vergonha, isso é forçado à exposição para que possamos recuperar o self perdi¬do e voltar ao estado de transparência do self pleno.

Somente quando o comportamento autodestrutivo já não é mais segredo é que podemos olhar objetivamente os danos que estamos causando a nós mesmos e aos que estão ao redor, e encontramos motivação para mudar. Só após os filhos voltarem da escola e encontrarem a luz cortada é que nos dispomos a encarar o vício no jogo. É preciso ser detido no trânsito para despertarmos para o fato de que o hábito de beber está fora de controle. Quando saímos para jantar com amigos e o garçom anuncia que o cartão foi recusado, finalmente nos damos conta de que os gastos estão fora de controle.

O Efeito Sombra surge como um potente reflexo externo do mundo interno que está perigosamente desequilibrado.

Porém, por mais dolorosos que sejam, esses momentos servem para começar um processo de evolução involuntária. Quando somos confrontados pela sombra, e ela é vista por aqueles cuja opinião prezamos, saímos da negação e, esperançosamente, reconhecemos que precisamos fazer algo a respeito.

Se queremos evitar a cólera do Efeito Sombra, precisamos fazer uma verificação da realidade diariamente, observando se estamos agindo de maneira que pode nos envergonhar, constranger ou destruir família, carreira, saúde ou autoesti-ma.

Quando outras pessoas aparecem e refletem em você uma imagem do self indesejado, você se torna reativo.
Eis um exemplo. Uma vez, namorei um homem que acha¬va ligeiramente rechonchudo, meio fora de forma. Após namorar por alguns meses, notei que, em qualquer lugar a que fôssemos, ele sempre apontava um cara acima do peso, barrigudo ou com as calças caindo. Um dia, conforme caminháva¬mos pelo aeroporto, a caminho de uma viagem romântica, ele apontou o dedo na direção de um homem que jamais veria novamente e comentou comigo:
— Mas que relaxado. Por que você acha que esse cara não se cuida?
Finalmente não consegui ficar de boca fechada e juntei coragem para lhe dizer que estava apenas projetando as próprias preocupações com o peso em pobres homens gordos que ele nem conhecia. Sugeri que, em vez de ficar apontando os outros, ele deveria ir além. Achei que ele tropeçaria na esca¬da rolante ao olhar para a barriga estufada como se fosse pela primeira vez. O rosto dele murchou conforme se deu conta de que também carregava uma dúzia de quilos indesejados. Constrangido, timidamente me perguntou se de fato se parecia com os outros homens. Temendo arruinar minha diversão do fim de semana, menti e disse que ele talvez não estivesse tão ruim quanto os outros, mas havia diversos lugares para onde poderia olhar quando estivéssemos em público, portanto, isso deveria significar que, até certo ponto, ele realmente queria assumir o próprio corpo e mudar a forma como se apresentava ao mundo, ou não estaria tão ligado nessa questão.

Só ha¬via reparado na barriga dos outros homens. Nossas projeções sempre nos chocam. Quando estamos julgando alguém, nunca pensamos de fato sobre nós. Porém, uma vez que compreende¬mos por que apontamos o dedo, podemos começar a nos des¬vencilhar de nossas percepções e julgamentos vorazes a respeito dos outros. Precisamos lembrar o velho ditado: "Se você viu é porque também tem".

Em meus anos na liderança de workshops, já tive momentos bastante engraçados, quando as pessoas ficavam com raiva de mim por sugerir exatamente esse conceito de pro¬jeção e por lhes dizer que elas também possuem as característi¬cas que desgostam nos outros. Um desses momentos favoritos foi quando uma linda espanhola disse que não tinha nada a ver com o pai, que não aprovava os homens com quem ela saía. Quando perguntei se ela sabia o motivo, ela respondeu que era por ele ser racista. Ela disse que só saía com homens asiáticos e ele não aprovava. Quando brinquei, perguntando que tipo de espanhola só saía com homens asiáticos, a raiva desapareceu de seu rosto e ela disse timidamente: "Alguém que seja racista?" No mesmo instante, ela percebeu que estava sendo ligeiramen¬te racista, assim como seu pai, porque jamais sairia com um homem de sua origem.

Há muitos exemplos famosos de projeção. Eliot Spitzer, ex-governador de Nova York, passou a carreira tentando var¬rer a prostituição, por achá-la absolutamente inaceitável, mas se envolveu em um escândalo com uma garota de programa. O ex-porta-voz do governo, Newt Gingrich, que continua-mente apontava o dedo em crítica ao presidente Bill Clinton e era a favor de seu impeachment, por suas indiscrições se-xuais, mais tarde foi flagrado com um caso fora do casamen-to. O famoso pastor Ted Haggard, que falava fervorosamente contra a imoralidade e o homossexualismo, mais adiante foi descoberto num relacionamento gay, regado a drogas. E o fenômeno do rádio, Rush Limbaugh, que em seu programa condenava abertamente os viciados em drogas, mais tarde admitiu a própria dependência a drogas prescritas. Eu poderia literalmente dar milhares de exemplos de pessoas que em público condenam os outros, menosprezando o comportamento que elas próprias têm. Você acha que essas pessoas realmente têm a intenção de destruir a própria carreira, humilhando-se publicamente e envergonhando a família? Era realmente a intenção que tinham? Ou teriam sido, de fato, pegas de surpresa, ficando profundamente decepcionadas com o próprio comportamento? Será que ''o diabo me fez fazer" não seria na verdade a sombra disfarçada?

O comportamento de Pilar é um exemplo perfeito do fenômeno de projeção. Uma mulher com quarenta e poucos anos que se orgulha de ser boa filha. Pilar fica constantemente aborrecida porque o pai junta tralha. Todo domingo, ao che¬gar à casa dele para visitá-lo, ela começa a se sentir ansiosa e irritada. Quando entra na sala, em vez de passar a tarde numa conversa agradável de pai e filha, começa a brigar com ele por causa dos jornais espalhados no chão e das dezenas de quin¬quilharias espalhadas pela sala. Frustrada, Pilar dá início a uma conversa depreciativa, na qual frisa o desleixo dele. Em tal atmosfera de julgamento, os dois se sentem tristes, e as visi¬tas acabam sendo monótonas e desgastantes. Pilar sempre vai embora se sentindo mal consigo mesma, e o pai secretamente deseja que ela deixe de visitá-lo, embora seja gentil e solitário demais para confessar.
Um dia, enquanto trabalhava no escritório de casa, que compartilha com o marido, Emilio, Pilar percebeu algo sobre si própria. Emilio perguntou se ela poderia esvaziar uma das gavetas para que ele tivesse mais espaço para seus papéis. Irritada, ela rapidamente respondeu que precisava de seis das oito gavetas para todos os documentos, e que ele poderia alugar um guarda-volumes se precisasse de mais espaço. Abor¬recido diante da incapacidade dela de compartilhar, Emilio começou a escancarar as portas dos armários, uma após a outra, revelando centenas de pastas abarrotadas de jornais e recortes de revistas. Ela ouviu Emilio resmungando, embora não estive mais prestando atenção ao que ele dizia. E ficou estarrecida. Ali estava, diante de seus olhos, o mau hábito do pai. Ela pôde ver que, para Emilio, todos aqueles recortes eram um monte de lixo inútil. Ela guardava alguns, entre eles cupons de desconto, desde a época da faculdade - vinte anos atrás!

Ela descobriu que apresentava a mesma característica do pai, embora a dela estivesse escondida nas gavetas fechadas do armário. Encarou o fato de também ser uma acumuladora de tralha e pediu ajuda ao ma¬rido para limpar tudo e jogar fora os recortes, pois seria difícil fazê-lo sozinha. Ela adorava todos os seus pedaços de papel, exatamente como o pai amava os dele.
Dias depois, quando Emilio ganhou três gavetas, Pilar de-cidiu compartilhar a história com o pai e pedir que ele a perdoas¬se por seu tom de julgamento. Pai e filha deram boas risadas e se abraçaram, algo que sempre faziam como um cumprimento rotineiro, mas nunca como expressão autêntica de amor e respei¬to.

E aqui está o mais empolgante. Quando você entende a projeção, jamais verá o mundo da mesma maneira. Neste mundo holográfico, tudo é um espelho, e você está sempre se vendo e falando consigo mesmo. Se você escolher, pode olhar agora para o que o afeta emocionalmente como um alarme, uma pista para desvendar sua sombra, um catalisador para o crescimento que lhe dá a oportunidade de recuperar um aspecto oculto de si mesmo. Cada sombra que abraçar lhe permitirá experimentar mais amor, mais compaixão, mais paz e um senso maior de liberdade.

Eu me lembrei de uma cena de Batman: o Cavaleiro das Trevas em que o Curinga está segurando uma faca junto ao pescoço de Batman. Batman o desafia, dizendo: "Vá em frente, me mate". O Curinga, com uma expressão perplexa e retorcida, responde: "Não quero matá-lo. Você me completa". O que ele está dizendo é que, sem o oponente heróico, ele não seria nada. Se formos astutos o suficiente para inserir nossos vilões inter¬nos — o pessimismo, o self arrogante, o ditador, a vítima — no roteiro do self superior e reconhecer que eles não são nossos inimigos, mas partes feridas e perdidas de nós mesmos, com profunda necessidade de amor e aceitação, poderemos viver de acordo com a missão mais sublime de nossa alma e encon¬trar a paz.

Se vemos alguém que queremos imitar, é porque estamos vendo qualidades que existem em nós. Se estamos encantados por outra pessoa, é porque o aspecto que amamos nela existe dentro de nós. Não há nenhuma qualidade em outra pessoa, e à qual reagimos, que nos falte. Ela pode estar escondida por trás de algum mau comportamento, ou alguma antiga crença obscura que diga que somos exatamente o oposto daquilo que vemos na outra pessoa. Mas juro que, se estiver atraído por uma qualidade em alguém, independentemente de sua grandiosidade, ela também existe em você.

Qualquer coisa que o inspire é um aspecto seu. Qualquer desejo do coração existe para apoiá-lo na descoberta e manifes¬tá-la. Se você tem uma inspiração de ser algo, é porque tem o potencial para manifestar a qualidade que está vendo e o com¬portamento que essa qualidade fará aflorar.

Lembre-se: nossa sombra está quase sempre tão bem escondida de nós que é quase impossível encontrá-la. Se não fosse pelo fenômeno da projeção, talvez ficasse escondida pela vida inteira.

A essa altura, você talvez seja capaz de reconhecer que a sombra — com toda a sua dor, trauma e briga — é uma parte indes¬trutível de quem somos. Não importa quanto nos esforcemos, jamais teremos êxito em nos livrar dela ou silenciar sua presen¬ça. No entanto, temos a chance de decidir se queremos permitir que ela destrua nossa vida e nos roube de vivenciar nossa gran¬deza, ou se vamos tirar dela toda a sabedoria e usá-la para nos impulsionar à versão mais extraordinária de nós mesmos.

A vida é divinamente elaborada para que cada um de nós receba exatamente aquilo que precisa para apresentar sua expressão única no mundo.

Assim como uma flor de lótus nasce na lama, precisamos honrar as partes mais sombrias de nós mesmos, e as nossas experiências de vida mais dolorosas, pois são elas que nos permitem o nascimento do mais belo self. Precisamos do passado turbulento e enlamea¬do, da sujeira da vida humana — da combinação de cada má¬goa, ferimento, perda e desejo não realizado, misturada a cada alegria, sucesso e benção, para nos dar sabedoria, perspectiva, e nos conduzir a ingressar na mais magnífica expressão de nós mesmos. Essa é a dádiva da sombra.

TERCEIRA PARTE - MARIANNE WILLIAMSON

O significado da Segunda Guerra não está na perversidade de Hitler, mas no brilhan¬tismo e sacrifício daqueles que o derrotaram. O arquétipo da verdade de Avatar não está na violência praticada con¬tra os na'vi, mas também na forma como a violência acabou. O ponto máximo das grandes histórias religiosas não está na crucificação, mas na ressurreição; não está na escravidão dos israelitas, mas na libertação da Terra Prometida. Agora, em nossa época, com tantas sombras ameaçando, convém lembrar que as sombras parecem muito escuras, mas nada são diante da verdadeira luz.
Essa verdade pode ser muito difícil de aceitar quando todas as evidências racionais apontam não somente para a realidade da sombra, mas também para sua permanência. No entanto, o milagre da iluminação não vem de uma evidência racional; ele literalmente "cai do céu", um símbolo consumado para os reinos da pura potencialidade. O potencial para a descoberta emerge quando nosso abraço proativo da luz é maior que o medo do escuro.

Nas palavras de Albert Einstein, quando falava do mundo fí-sico, "A realidade é meramente uma ilusão, embora seja uma ilusão muito persistente".

Se uma pessoa religiosa odeia, Deus não está presente. Se um ateu ama, lá está Ele.

A única forma de superar a sombra é nos tornarmos nosso verdadeiro self, e o que for preciso fazer para chegarmos a esse lugar é, na essência, uma experiência religiosa; para algumas pessoas, essa é uma expe¬riência na igreja, na sinagoga, na mesquita ou em um santuário; para alguns, essa é uma experiência da natureza; para outros, é a experiência de segurar o filho nos braços pela primeira vez. A questão não é o que nos leva à experiência, mas o que nos acontece ao chegarmos lá. Algo muda dentro de nós depois de regressarmos ao âmago de nosso ser, ainda que só por um ins¬tante. Isso nos dá um gostinho do que é possível dentro de nós e ao redor. Ergue-se o véu que encobre a realidade do amor, a extensão de nosso verdadeiro poder. Uma vez que estejamos realinhados com nossa natureza essencial, teremos o poder para fazer a sombra desaparecer.


My Great Web page *************************************************************************

Inscreva-se em nossa NewsLetter e receba semanalmente a postagem de destaque de cada semana do nosso blog MAIS DE MIL FRASES DE EFEITO. Vídeos motivacionais, Sugestão de Filmes de Efeito, Sons de Efeito, Vídeos de Efeito, Frases de Efeito, Matérias de Efeito, resumos de livros de Auto-Ajuda e muito, muito mais.
Preencha a linha abaixo com seu e-mail e usufrua Já desta vantagem:
Coloque aqui seu e-mail:



4 comentários:

Letícia Lilica disse...

Excelente! Se só esses trechos já me fizeram pensar muito, imagina o livro todo! Fiquei com muita vontade de ler!

Jair Filho disse...

Eu estou encantado com os trechos do livro. Um dos primeiros parágrafos ampliou minha visão de um problema que eu enfrento. Ou melhor enfrentava, porque agora estou ciente de que fui eu mesmo quem o criou.

Estou impressionado como de repente, lendo o trecho postado, entendi porque atraio tal situação.

Agora devo trabalhar minha visão de mim mesmo. Já que o mundo está em mim, posso aceitá-lo para viver melhor, sem dramas.

Com certeza devo ler esse livro na íntegra.

Grato, Tom, por compartilhar conosco informações tão preciosas.

Beijos na sua alma.

Sueli..criando a paz dentro de mim! disse...

Excelente livro! E depois de ler, vc pode assistir o filme que reforça tudo o que foi lido! Fantástico! Eu amo e acolho minha sombra!

Bjs,
Sueli

Silvia Abreu disse...

Este texto me ajudou a conhecer melhor uma parte de mim que recusava enchergar! Obrigado Tom !